Seja bem-vindo(a)! Patos de Minas, 07 de julho de 2022

Siga nossas Redes Sociais

Aula 60 – 4ª Parte, 2ª seção – A Oração do Senhor – Pai Nosso! Art. 1, o resumo de todo o evangelho; art. 2, Pai Nosso que estais no Céu.

07/06/2022   .    Catecismo
Compartilhe

A oração do Pai Nosso ou ‘Oração do Senhor’ foi ensinada por Jesus a seus discípulos quando estes o pediram (cf. Lc 11,1). No Evangelho de São Lucas ela contém 5 pedidos (cf. Lc 11,2-4) e no de São Mateus, 7 pedidos (cf. Mt 6,9-13). A passagem de São Mateus foi a que se conservou na tradição. Mais tarde, a tradição litúrgica acrescentou a doxologia: ‘pois vosso é o Reino, o poder e a glória para sempre’.

A Oração do Senhor é realmente o resumo de todo Evangelho. Santo Agostinho diz que os salmos, principal alimento da oração cristã, se convergem nos pedidos do Pai Nosso. A oração do Senhor também se encontra no centro do anúncio de Jesus. Ela é a mais perfeita das orações e só podemos reza-la dignamente com a inspiração do Espírito Santo.

O significado do nome ‘Oração do Senhor’ é porque ela foi a oração ensinada por Jesus.  Pela sua intimidade com o Pai e sua aproximação com a nossa humanidade, Jesus nos revelou os segredos do amor trinitário. Por isso o ‘Pai Nosso’ é modelo para toda oração. Por meio dessa oração, Jesus nos ensinou a chamar Deus de Pai e, por sua morte e Ressurreição, nos tornou realmente filhos de Deus.

Esta é também a oração da Igreja; as primeiras comunidades chegaram a reza-la 3 vezes ao dia. Em todos os sacramentos ela é rezada para lembrar esse caráter eclesial. No batismo, até mesmo as crianças recém-nascidas, estão unidas à comunidade na oração do Pai Nosso. Ela continua sendo rezada nos outros sacramentos e, principalmente na Eucaristia, tem um caráter escatológico, ou seja, rezamos como Igreja, Corpo de Cristo, que já é aqui na terra a prefiguração da comunidade celeste.

O convite para rezar o Pai Nosso na Santa Missa vem acompanhado das palavras ‘ousamos dizer’. Esta ousadia filial com que nos aproximamos de Deus foi-nos dada por Jesus ao assumir a nossa natureza. Esta ‘força do alto’ que nos foi dada nos anima e encoraja rezar esta oração tão profunda, pois sem esta força não ousaríamos chamar Deus de Pai.

Porque invocamos a Deus como Pai? Porque o próprio Jesus nos revelou. Quando Moisés perguntou qual o nome de Deus Ele não o revelou (cf. Ex 3,14), mas com Jesus pudemos penetrar nesse mistério. Por isso é preciso purificar o coração para rezar a Oração do Senhor. Jesus nos revelou o Pai e nos revelou a nós mesmos como filhos do Pai. Assim sendo, para rezar o Pai Nosso é exigido de nós duas atitudes: o desejo e a vontade de assemelhar-se a Deus e ter um coração humilde e confiante.

Quando dizemos ‘Pai Nosso’ temos que ter consciência que não significa ‘posse de Deus’, mas é porque somos seu povo e Ele é nosso Deus. Com esta oração, fazemos referência ao povo de Deus na Jerusalém Celeste, o que exprime a nossa esperança. Mesmo dirigindo de modo específico ao Pai, dirigimos ao Deus trino, porque sendo três pessoas é um único Deus. Ao dizer ‘nosso’ nos referimos às várias pessoas que fazem parte da Igreja. Assim, só se pode rezar o Pai Nosso com espírito comunitário, sem excluir ninguém, ultrapassando todas as fronteiras.

Quando falamos ‘que estais nos céus’ não significa que Deus está em um lugar, mas num estado de ser. Ele, na verdade, não está longe de nós, ao contrário, está bem próximo do coração contrito e humilde. Os ‘céus’ significa a casa do Pai e nossa também, na qual já estamos assentados em nossos lugares quando rezamos o Pai Nosso, pois, como nos diz São Paulo, já aqui na terra estamos “escondidos com Cristo em Deus” (cf. Cl 3,3).

Pe. José Antônio Ramos

Paróquia Santa Cruz de Guarda dos Ferreiros/MG

 

Cúria Diocesana

Rua Tiradentes, 388 - Centro Patos de Minas/MG - CEP 38700-134

Telefone

(34) 3821-3213 (34) 3821-3184