Seja bem-vindo(a)! Patos de Minas, 22 de maio de 2022

Siga nossas Redes Sociais

Aula 43 – 3ª Parte, Primeira seção – Capítulo II – A comunidade humana, artigo 1, A pessoa e a sociedade; Artigo 2, A participação na vida social; Artigo 3, A justiça social

04/02/2022   .    Catecismo
Compartilhe

A comunidade humana tem como fim chegar à sua plenitude junto de Deus. O ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus, reflete, como comunidade, a comunidade trinitária: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A vida social é inerente à natureza humana. Para viver em sociedade as pessoas se reúnem em torno de um princípio em comum, que ultrapassa os interesses individuais.

Estar reunida em torno de um princípio que ultrapassa a individualidade não quer dizer que as individualidades possam ser ignoradas. Na vida em sociedade a dignidade da pessoa humana deve ser o centro. Assim, uma socialização que ferisse a dignidade da pessoa humana não seria correto. As ameaças à liberdade e à individualidade são um perigo para a vida social. É preciso ter equilíbrio para que se possa sustentar a vida social sem ferir as liberdades individuais e a dignidade da pessoa.

O catecismo fala da necessidade de uma conversão na vida social, na qual os valores materiais e instintivos estariam abaixo dos interiores e espirituais. Um risco que deve ser evitado é o de fazer dos meios os fins. A pessoa humana está acima de qualquer bem material. Uma sociedade que desvaloriza o ser humano não está no caminho certo. Para que haja essa conversão, deve-se apelar às capacidades espirituais e morais da pessoa e buscar o auxílio da graça de Deus.

É preciso conscientizar as pessoas da importância de sua participação na vida social. A autoridade é necessária e, de certa forma, vem de Deus. Mas uma autoridade despótica pode fazer muito mal. A autoridade deve fazer cumprir a lei; ninguém está acima da lei. Autoridades que usam de meios ilícitos para governar não obrigam a consciência, ou seja, não é necessário obedecer a autoridades desumanas. A única forma de resolver esse impasse é a participação consciente das pessoas na vida social de forma direta ou indireta.

O bem comum é o objetivo da vida social. Estes são alguns princípios do bem comum: o respeito à pessoa humana, o bem estar social e o desenvolvimento do grupo, a busca da paz. A realização da vida social acontece quando se alcança o bem comum. A busca deste é dever do estado e se deve, quanto possível, se tornar universal.

A participação de cada pessoa na vida social pode fazer toda a diferença. A responsabilidade pela vida social já começa na família no trabalho, etc.. O bem comum será atingido se cada um realizar bem o seu papel. Pessoas de bem devem se envolver na vida pública e a população deve ter capacidade de analisar seus representantes e suas propostas. Para isso seria necessário muita educação e cultura.

A justiça social acontece quando se atinge o ideal na busca do bem comum. É importante lembrar que os direitos da pessoa vem antes de qualquer sociedade e lei. O evangelho nos pede que amemos até mesmo os inimigos. As diferenças devem ser vistas como uma riqueza e para o bem de todos. O ideal seria que toda a sociedade vivesse a solidariedade humana, compartilhado seus bens materiais e espirituais.

Pe. José Antônio Ramos

Paróquia Santa Cruz de Guarda dos Ferreiros/MG

 

Cúria Diocesana

Rua Tiradentes, 388 - Centro Patos de Minas/MG - CEP 38700-134

Telefone

(34) 3821-3213 (34) 3821-3184