Seja bem-vindo(a)! Patos de Minas, 22 de outubro de 2021

Siga nossas Redes Sociais

Paróquia Nossa Senhora da Abadia

Compartilhe

Pároco

Pe. Wesley Roberto Balbino

Festa do Padroeiro

15/08

Igreja Matriz

Rua Rio Branco, 20 - Centro Abadia dos Dourados

Telefone

(34) 3847-1248

Whatsapp

(34) 98889-7119

E-mail

p.n.s.abadia@hotmail.com

ABADIA DOS DOURADOS – MG

Há anos atrás desembarcaram-se em terrenos baldios grupos de imigrantes garimpeiros em busca de riquezas formando um pequeno arraial recebendo o nome de Arraial do Garimpo.

Em 25 de setembro de 1889, conseguiram edificar a primeira Igreja, quando a localidade já chamava Abadia dos Dourados, por isto a Paróquia recebeu o nome de Nossa Senhora da Abadia. Com a expulsão dos Jesuítas do Reino de Portugal, os franciscanos assumiram a evangelização das colônias do Reino, em particular, do Brasil.

Em Minas Gerais, a presença dos franciscanos capuchinos foi marcante. Muitas cidades deste Estado nasceram ou foram fundadas por obras missionárias, que quando chegavam, construíam aí suas abadias. O povo se reunia em torno da abadia, lugar onde residiam os Frades e onde construíam o templo, e estimulavam a devoção à Virgem.

No Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, a Santa é chamada Nossa Senhora da Abadia.

Em 1887 teve início em Abadia dos Dourados a festa em homenagem a Nossa Senhora da Abadia. A devoção e o título foram trazidos pelos garimpeiros que instalaram às margens do Rio Dourados, afluente do Rio Paranaíba, onde o povoado formado, hoje é uma grande manifestação de fé, por onde nos primeiros dias de agosto, passam cerca de 25.000 peregrinos.

HISTÓRIA DA PARÓQUIA

A Paróquia teve Pe. Manoel Avellanos como seu primeiro padre, que permaneceu na Paróquia por pouco tempo. Desde a sua criação até 1923 a Paróquia foi atendida por padres residentes nas cidades vizinhas, ou que permaneceram por rápidos períodos por aqui. Após esse período de transição, o Pe. Anastácio Affonso “Dalla Riva” mesmo residindo em outra cidade, conseguiu prestar seus serviços religiosos, atendendo até algumas comunidades rurais, dentre estes outros também permaneceram aqui por muito tempo. Destacamos os Pe. que passaram por aqui, e suas respectivas datas.

  • Pe. Manoel Avellanos – 01/11/1899 a 04/03/1900
  • Pe. Frei Celestino Ballestero –  08/07/1900 a 30/06/1901
  • Pe. Frei Manoel Clemente – 30/06/1901 a 11/11/1903
  • Pe., Frei Gregório Paredes – 30/11/1903 a 27/11/1904
  • Pe. Frei Leão Inhansti – 24/12/1904 a 30/03/1905
  • Pe. Frei Santiano Uchoa – 05/02/1910 a 14/06/1910
  • Pe. Frei Jacinto Villarreal – 13/05/1914 a 11/01/1916
  • Pe. Raimundo Vieira da Silva – 12/02/1916 a 15/08/1916
  • Pe. José Victor Gomes da Costa – 01/01/1917 a 02/11/1919
  • Pe. Vicente Cardoso de Oliveira – 02/10/1920 a 24/01/1923
  • Pe. Anastácio Affonso Dalla Riva – 15/08/1923 a 17/10/1949
  • Pe. Lázaro Menezes –17/10/1949 a 16/08/1951
  • Pe. Domingos Cassiano – 26/08/1951 a 13/03/1955
  • Pe. Luiz Humberto Becattini – 21/04/1955 a 17/10/1955
  • Pe. Lázaro Menezes – 27/05/1956 a 01/07/1956
  • Pe. Antônio Alves de Oliveira – 11/08/1956 a 19/08/1956
  • Pe, Lázaro Menezes – 18/09/1956 a 18/05/1957
  • Pe. Antônio Rinella – 07/08/1957 a 06/02/1960
  • Pe. Inácio Kush – 14/02/1960 a 05/03/1965
  • Pe. José Ferreira Magalhães – 02/04/1965 a 25/12/1965
  • Pe. Inácio Kush – 19/02/1966 a 31/03/1968
  • Pe. Josias Tolentino de Araíujo – 14/02/1968 a 25/12/1987
  • Pe. Geraldo Corrêa da Silva Loureiro – 25/12/1987 a 02/04/1989
  • Pe. Josias Tolentino de Araújo – 02/04/1989 a 31/03/1991
  • Pe. Sebastião Rodrigues – 14/04/1991 a 21/03/1992
  • Pe. Valeriano Geraldo da Silveira – 21/03/1992 a 19/07/1993
  • Pe. Vicente Ferreira de Lima – 19/07/1993 a 31/08/1997
  • Monsenhor Antônio Severo Alves – 06/09/1997 a 12/10/1999
  • Pe. Antonio Rodrigues Carneiro – 22/10/1997 a 13/03/2000
  • Pe. José Carneiro Borges Júnior – 13/03/2000 a 17/04/2004
  • Pe. Marino de Souza Santos – 17/07/2004 a 24/12/2010
  • Pe. Ademir Paulino da Silva – 06/01/2011 a 05/02/2017
  • Pe. Wesley Roberto Balbino – 06/02/2017 

COMUNIDADES DA PARÓQUIA

  • Comunidade São João Batista – Urbana Alto Abadiense

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Sebastião – Rural Bonsucesso

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Sebastião – Rural Capão da Cruz

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Benedito – Rural Córrego do Cavalo

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade Nossa Senhora Aparecida – Rural Córrego Fundo

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Miguel – Rural Japecanga

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade Santa Cruz – Rural Morada

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Sebastião – Rural Morro Vermelho

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Benedito, São Sebastião e Nossa Senhora das Graças – Rural Palmitos

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade Nossa Senhora do Rosário – Rural Parnaso

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São João Batista – Urbana Alto Abadiense

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Sebastião – Rural Bonsucesso

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Sebastião – Rural Capão da Cruz

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Benedito – Rural Córrego do Cavalo

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade Nossa Senhora Aparecida – Rural Córrego Fundo

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Miguel – Rural Japecanga

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade Santa Cruz – Rural Morada

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Sebastião – Rural Morro Vermelho

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade São Benedito, São Sebastião e Nossa Senhora das Graças – Rural Palmitos

    Abadia dos Dourados
  • Comunidade Nossa Senhora do Rosário – Rural Parnaso

    Abadia dos Dourados

HISTÓRIA DO PADROEIRO

Nossa Senhora da Abadia é um dos títulos da Virgem Maria. Esta invocação a Maria também é conhecida como Santa Maria do Bouro, pois se originou no Mosteiro (ou Abadia) do Bouro, próximo à cidade de Braga, em Portugal.

A imagem de Nossa Senhora da Abadia


A imagem de Nossa Senhora da Abadia representa Maria de pé, segurando nos braços o menino Jesus, que tem uma coroa na cabeça. Maria veste uma túnica branca com flores de cor rosa e azul. Um cinto vermelho passa por sua cintura. Por cima, um manto azul decorado com belas flores completa sua vestimenta. Na mão direita, Maria segura um cetro para guiar os seus filhos. Na cabeça, ela tem uma linda coroa.

Devoção a Nossa Senhora da Abadia


A devoção a Nossa Senhora da Abadia é muito antiga. Ela pertenceu a uma abadia (mosteiro cujo superior é um abade), conhecida como Mosteiro das Montanhas, que ficava na região do Bouro por volta do ano 883. Quando os muçulmanos invadiram Espanha e Portugal, os monges fugiram e esconderam a imagem da Santa. Muito tempo passou.

Redescoberta milagrosa da imagem de Nossa Senhora da Abadia


Mais tarde, por volta do ano 1100, um nobre ancião da corte portuguesa, chamado Pelágio Amado recebeu a graça da conversão. Ele abandonou sua vida de riquezas na corte e foi para a Ermida de São Miguel, perto de Braga. Lá ele viveu com um velho eremita que já vivia ali há muitos anos. Certa noite, os dois viram uma luz diferente que vinha do meio de um vale perto de onde estavam. Na noite seguinte o fato se repetiu. Então, os dois resolveram ir até o local quando se fez dia, para ver o que poderia estar fazendo brilhar aquela luz. Foi então que eles encontraram imagem de Nossa Senhora da Abadia escondida no meio das pedras. Os dois se prostraram agradecendo por esta graça tão especial.

A devoção recomeça


Por causa da redescoberta, os dois eremitas mudaram o casebre em que viviam para o local onde encontraram a Santa. Lá, eles ergueram uma pequena e rústica capela e colocaram a imagem de Nossa Senhora da Abadia. A notícia da descoberta correu e chegou aos ouvidos do arcebispo de Braga. Este foi visitar o local e, depois de ver a pobreza em que os dois eremitas viviam, mandou construir ali uma igreja de pedra lavrada, digna de abrigar os dois santos e a imagem de Nossa Senhora. Aos poucos, outros eremitas se uniram aos dois e a fama dos milagres de Nossa Senhora da Abadia se espalhou em Portugal. Peregrinações começaram a acontecer. Fiéis de todos os cantos vinham rezar, pedir e agradecer pelas graças alcançadas. D. Afonso Henriques, rei de Portugal, foi visitar o santuário e deixou ali uma grande doação para o culto e as necessidades daqueles servos de Deus.

A devoção chega ao Brasil


A devoção a Nossa Senhora da Abadia chegou ao Brasil através dos portugueses e se instalaram primeiramente na região do Triângulo Mineiro. Nessa região, várias cidades têm como Padroeira Nossa Senhora da Abadia. Com o tempo, a devoção passou para Goiás, principalmente em Muquém e na antiga capital, Vila Boa, que ainda conserva sua Igreja Matriz, construída no século XVIII. Atualmente um dos locais mais famosos pelas romarias é o de Nossa Senhora da Abadia da Água Suja, antigo centro de garimpagem de diamantes. O Santuário de Nossa Senhora da Abadia atrai todos os anos, no dia 15 de agosto, um grande número de devotos e a procissão é famosa. Em Uberaba também é grande a devoção a nossa Senhora da Abadia.

Oração a Nossa Senhora da Abadia


Senhora dos Navegantes, Filha dileta de Deus Pai, Mãe de Jesus, nosso Salvador. Esposa do Espírito Santo, eis-me aqui diante de vossa Imagem, para consagrar-me inteiramente a vós. Trago-vos, Senhora, minha vida, meu trabalho, os sofrimentos e as alegrias, as lutas e as esperanças, tudo que tenho e sou, para oferecer a vosso Filho, ó Maria. Peço vossa proteção para nunca abandonar a fé Católica sempre fiel a Jesus. Dai-me força para viver de verdade o amor fraterno e assumir minha responsabilidade de cristão no mundo. Ó Senhora da Abadia, aceitai-me como filho e guardai-me sob o vosso manto protetor.

Amém.

Fonte: Cruz Terra Santa

Cúria Diocesana

Rua Tiradentes, 388 - Centro Patos de Minas/MG - CEP 38700-134

Telefone

(34) 3821-3213 (34) 3821-3184