Seja bem-vindo(a)! Patos de Minas, 24 de junho de 2021

Siga nossas Redes Sociais

Papa Francisco institui o ministério de Catequista por meio do Motu Proprio Antiquum Ministerium

11/05/2021   .    Notícias da Igreja
Compartilhe

Foi publicado nesta terça-feira (11) o Motu proprio “Antiquum ministerium” com o qual o Papa Francisco institui o ministério de catequista. O texto foi assinado ontem, 10 de maio, memória litúrgica de São João de Ávila, presbítero e doutor da Igreja. Aqui no Brasil, a Edições CNBB preparou uma live para apresentar o documento, hoje, às 16h, com transmissão pelas redes sociais da editora e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

“Fidelidade ao passado e responsabilidade pelo presente” são “as condições indispensáveis para que a Igreja possa desempenhar a sua missão no mundo”: assim escreve o Papa Francisco no Motu proprio “Antiquum ministerium” – com o qual institui o ministério de catequista. No contexto da evangelização no mundo contemporâneo e diante da “imposição de uma cultura globalizada”, de fato, “é necessário reconhecer a presença de leigos e leigas que, em virtude de seu Batismo, se sentem chamados a colaborar no serviço da catequese”. Além disso o Pontífice enfatiza a importância de “um encontro autêntico com as gerações mais jovens”, como também “a necessidade de metodologias e instrumentos criativos que tornem o anúncio do Evangelho coerente com a transformação missionária da Igreja”.

O novo ministério tem origens muito antigas que remontam ao Novo Testamento: é mencionado, por exemplo, no Evangelho de Lucas e nas Cartas de São Paulo Apóstolo aos Coríntios e aos Gálatas. Na carta apostólica, o Papa Francisco exorta a Igreja a valorizar os leigos que colaboram no serviço da catequese, indo ao encontro “dos muitos que esperam conhecer a beleza, a bondade e a verdade da fé cristã”. Mas o serviço de catequista deve ser realizado “sem cair em qualquer tentativa de clericalização”.

Testemunha da fé, mestre, mistagogo, acompanhante e pedagogo, o catequista – explica o Pontífice – é chamado a exprimir a sua competência no serviço pastoral da transmissão da fé desde o primeiro anúncio até a preparação para os sacramentos da iniciação cristã, incluindo a formação permanente.

O Catequista é simultaneamente testemunha da fé, mestre e mistagogo, acompanhante e pedagogo que instrui em nome da Igreja. Uma identidade que só mediante a oração, o estudo e a participação direta na vida da comunidade é que se pode desenvolver com coerência e responsabilidade“, afirma o Papa.

Congregação para o Culto Divino publicará Rito de Instituição

O ministério laical de catequista também tem “um forte valor vocacional” porque “é um serviço estável prestado à Igreja local” que requer “o devido discernimento por parte do bispo” e um Rito de Instituição especial que a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicará em breve. Ao mesmo tempo – assinala o Pontífice – os catequistas devem ser homens e mulheres “de fé profunda e maturidade humana”; devem participar ativamente da vida da comunidade cristã; devem ser capazes de “acolhimento, generosidade e uma vida de comunhão fraterna”; devem ser formados do ponto de vista bíblico, teológico, pastoral e pedagógico; devem ter amadurecido a prévia experiência da catequese; devem colaborar fielmente com os presbíteros e diáconos e “ser animados por um verdadeiro entusiasmo apostólico”.

O convite do Papa para as Conferências Episcopais

Por fim, o Papa convida as Conferências Episcopais a “tornarem realidade o ministério de catequista”, estabelecendo o iter formativo necessário e os critérios normativos para o acesso ao mesmo, encontrando as formas mais coerentes para o serviço e em conformidade com o Motu proprio que poderá também ser recebido, “com base no próprio direito particular”, pelas Igrejas Orientais.

Aqui no Brasil, nesse sentido, o novo ministério instituído pelo Papa Francisco deve ser bem acolhido. De acordo com o arcebispo de Curitiba (PR) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB, dom José Antônio Peruzzo, a instituição “já estava de maneira latente e presente no que a Igreja queria projetar de si mesma”.

Dom Peruzzo destaca que o serviço da catequese é um serviço solene: “É uma nova experiência que aqui no Brasil já se discutia e em algumas dioceses já se praticava. Valoriza a catequese, os catequistas e a atuação da catequese como um todo”.

DOM PERUZZO COMENTA MOTU PROPRIO DO PAPA QUE ESTABELECE FORMALMENTE MINISTÉRIO DE CATEQUISTA

Apresentação nacional

Para apresentar a carta apostólica Antiquum Ministerium, a Edições CNBB promove na tarde de hoje, às 16h, uma live com vários convidados:

  • Dom Joel Portella Amado – Secretário-Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB);
  • Dom José Antônio Peruzzo – Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética;
  • Pe. Jânison de Sá Santos – Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB;
  • Vera Lucy – Coordenadora de Catequese do Regional Leste 1 da CNBB (Rio de Janeiro).
CNBB

Cúria Diocesana

Rua Tiradentes, 388, Centro Patos de Minas - MG - CEP: 38700-134

Telefone

(34) 3821-3213 (34) 3821-3184