Seja bem-vindo(a)! Patos de Minas, 02 de dezembro de 2021

Siga nossas Redes Sociais

Dia 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra

20/11/2021   .    Artigos de Formação
Compartilhe

Monsenhor José Magno do Nascimento
Assessor Diocesano dos Movimentos de Religiosidade Popular – Folias de Reis, Congados e Moçambiques

Imaginem um padre negro falando sobre o dia Nacional da Consciência Negra. Dá uma vontade de abordar vários aspectos e situações. Indo desde as justificativas mentirosas e vergonhosas da escravidão, as injustiças no período da escravidão e depois da lei de 13 de maio de 1888, etc.

Em 20 de Novembro de 1695, morre assassinado o líder do Quilombo dos Palmares, uma das grandes expressões de luta e resistência do Povo Negro, do povo Preto. A existência e a história de ZUMBI DOS PALMARES destrói a afirmação falsa de que o negro era dócil na escravidão.  Esta afirmação tão falsa tentava simplesmente tirar o ânimo impossibilitando reações a ponto de omitirem notícias e fatos de revoltas e reações à escravidão, inclusive em Minas Gerais. Basta lembrar que o Maior Quilombo do Brasil é o de Palmares na Serra da Barriga no estado de Alagoas. O segundo Maior Quilombo do Brasil é o Quilombo do Ambrósio no Morro do Espia em Ibiá MG (cidade da nossa Diocese Sõ Chico e várias pessoas em Ibiá tem muito a contar deste Quilombo).  Quando comemoramos o dia da Consciência Negra, nós negros dizemos para nós que os nossos antepassados nunca se acomodaram com a escravidão e/ou com a discriminação e segregação decorrentes. E dizemos também para todos que a resistência está presente em nossa vida.

Êh Zumbi, você não morreu, você está em mim!

O Dia da Consciência Negra nos alerta para várias coisas/comportamentos que sustentam o racismo e a discriminação ainda em nossos dias.  Podemos citar a falta de vontade em enxergar a beleza negra obrigando negros e negras a adotarem aparências, costumes que não são seus.  O não querer enxergar a capacidade e inteligência de negros e negras sinalizados pela triste expressão “mas é” (ele/ela é negro/negra mas é muito atento… acreditam que nós ainda ouvimos isto até hoje?)

Lembramos também as oportunidades que são negadas, sobretudo quando revivemos os terríveis debates sobre as cotas, e nem divulgam o aproveitamento espetacular dos cotistas.  A identificação do pecado, ou das coisas difíceis com o preto.

Apenas exemplifiquei situações muito superficialmente e quero repetir o que nós sabemos: o racismo e a discriminação tem de ser combatidos na estrutura.

Ê Zumbi, você não morreu, você está em mim!

A resistência que combate o racismo e a retirada do povo negro de cena (seja pela morte de nosso povo, seja pela exclusão de espaços sociais) diz para nós que a luta é mais séria do que nós pensamos.  Luta para conquistar a liberdade a igualdade e espaço; inclusive para que as crianças e jovens possam sonhar e os adultos e idosos poderem manter o sonho de felicidade para eles e para a família.

Precisamos estar também atentos com todos as lideranças, formadores e formadoras de opiniões. Crescer na consciência negra é também repudiar expressões, comportamentos, é não aceitar mesmo.

A nossa atenção, neste dia da consciência negra, há de voltar também para todos e todas que atuam e lideram nas pastorais, sendo ministros ordenados ou não.  Preste atenção se há presença de negros e negras em sua comunidade ou pastoral e em que proporção. E, se não há, por onde eles/elas andam e qual motivo da ausência? A participação junto com lideranças sociais para eliminar distância, proporcionando a inclusão, também a inclusão religiosa comunitária.  E não tenhamos dúvida que, buscar a igualdade, combater o racismo e discriminação é ajudar a sociedade, sobretudo a comunidade cristã a viver a saúde, que é uma presença de amor. Omitir neste ponto é favorecer o crescimento da discriminação em um leque cada vez mais amplo.

Observando a nossa sociedade percebemos o verdadeiro sentido e a necessidade do DIA NACIONAL DAS CONSCIÊNCIA NEGRA.  Sendo eu, o primeiro sacerdote negro da Diocese de Patos de Minas, fico muito à vontade para convidar meus irmãos sacerdotes para observarem com os leigos dos  movimentos e pastorais das paróquias em que estão, e também observarem comigo:  os salários, a escolaridade,  lugares e condições de moradias, empregos e funções nos empregos, opções de lazer e situação de saúde. Veremos o quanto precisamos nos unir para as conquistas do povo negro, e se olhamos com o olhar de Jesus, descobriremos também com este olhar que é uma atitude profética e evangelizadora fazer acontecer este dia e DEFENDER E DIVULGAR com palavras e ações sobretudo acompanhando a implantação de políticas públicas

Eliana de Lima (Sou negro sim)

Sou Negro

Sou  negro sim

Não tenho vergonha não

Desde a bolição

Que eu luto

Luz, luz do cometa luz

Reluz sobre nossas cabeças

A minha cor

Não deve influir no nosso amor

Porque o negro é nascido da flor

Va, diga pra eles que a cor da pele é bonita demais

Contra a opressão e o desnível social

A discriminação geral.

Sou negro sim

Não tenho vergonha não

Desde a abolição que eu luto

Contra a opressão e o desnível social

A discriminação geral.

 

VINTE DE NOVEMBRO NOS LEVARÁ A CONSTRUIR CONQUISTAR UM MUNDO DE IGUAIS. AINDA QUE CUSTE, MAS CHEGAREMOS!  VENHA CONOSCO!

Axé Modjumbá  (Aquele que é minha Paz, te abençoe)

Um abraço negro

Cúria Diocesana

Rua Tiradentes, 388 - Centro Patos de Minas/MG - CEP 38700-134

Telefone

(34) 3821-3213 (34) 3821-3184